Digitar no celular, lavar louça, brincar com os cães, dirigir… Durante nosso dia a dia estamos sempre usando as mãos para alguma coisa. Mas você já parou para pensar na saúde das suas unhas?

Sim, elas são uma parte importante do corpo que protegem as extremidades das mãos e dos pés. Um dos principais problemas de saúde desta parte do corpo é a onicomicose, um tipo de fungo que pode deixar as unhas brancas, quebradiças ou com um odor forte.

VEJA TAMBÉM: COMO SE PROTEGER DOS FUNGOS NO VERÃO QUE VEM AÍ!

 saiba-como-tratar-e-evitar-fungos-nas-unhas-4

Ocorrência

As infecções nas unhas ocorrem mais frequentemente nos homens do que nas mulheres e mais em adultos do que crianças. Além disso, se você tem membros da família que costumam ter infecções por fungos, é mais provável que também tenha (de acordo com estudos da Universidade de Cleveland, Ohio, EUA).

Os idosos têm um alto risco de contrair infecções fúngicas nas unhas porque têm uma circulação mais baixa e, à medida que envelhecemos, as unhas crescem mais lentamente e ficam mais grossas.  Tudo isso favorece o aparecimento dos fungos.

 

 

E quais as causas?

A onicomicose, também chamada tinea unguium, é uma infecção fúngica que ocorre pelo crescimento excessivo de fungos na parte inferior da unha. Ela afeta mais as unhas dos pés do que das mãos, isso porque os dedos dos pés geralmente ficam dentro de sapatos, que são ambientes quentes e úmidos. Isso favorece o surgimento de uma superpopulação destes micro-organismos causando infecções.

 

VEJA TAMBÉM: O QUE É SÍNDROME FÚNGICA E COMO EVITÁ-LA!

 

Quais os fatores de risco?

saiba-como-tratar-e-evitar-fungos-nas-unhas-5

As infecções fúngicas nas unhas têm muitas causas e muitas delas podem ser evitadas. Porém alguns fatores de risco aumentam a probabilidade de você desenvolver uma. É mais provável que você desenvolva uma infecção fúngica nas unhas se você:

  • Tem diabetes;
  • Tem uma doença que causa má circulação;
  • Tem mais de 65 anos;
  • Usa unhas artificiais;
  • Nada em piscina pública;
  • Sofre uma lesão na unha;
  • Tem uma lesão na pele ao redor da unha;
  • Fica com os dedos úmidos por um longo período de tempo;
  • Está com o sistema imunológico enfraquecido;
  • Usa sapatos fechados, como tênis ou botas com frequência.

 

VEJA TAMBÉM: ALIMENTOS NATURAIS QUE CONTRIBUEM PARA A BELEZA E SAÚDE DAS UNHAS!

 saiba-como-tratar-e-evitar-fungos-nas-unhas-3

Quais os sinais da infecção por fungos nas unhas?

Uma infecção fúngica pode afetar parte da unha, toda a unha ou várias unhas. Os sinais comuns incluem:

  • Unha distorcida;
  • Odor forte;
  • Unha quebradiça ou espessa;
  • Unha esbranquiçada ou amarelada

 

Quais são os tipos comuns de fungos nas unhas?

Infecção subungueal distal: é o tipo mais comum de infecção fúngica das unhas. Quando infectada, a borda externa da unha tem uma aparência irregular com faixas brancas ou amarelas.

Infecção superficial branca: geralmente afeta as unhas dos pés. É causada por um fungo que ataca as camadas superiores da unha e cria manchas brancas bem definidas. Eventualmente, essas manchas brancas cobrem toda a unha, que se torna áspera, macia e propensa a desmanchar.

Infecção subungueal proximal: são menos comuns, mas podem afetar tanto as unhas das mãos quanto dos pés.  Ela é caracterizada por manchas amarelas na base da unha com infecção que se espalha para cima. Essa infecção geralmente ocorre em pessoas com sistema imunológico comprometido. Também pode resultar de ferimentos leves nas unhas.

Infecção por cândida: leveduras de cândida podem invadir as unhas danificadas por uma infecção ou lesão anterior. Ocorre frequentemente em pessoas que mergulham muito as mãos na água. Essa infecção geralmente começa pela cutícula ao redor da unha, que se torna inchada, vermelha e sensível ao toque.

 

Como sei se tenho uma infecção fúngica nas unhas?

Como outras infecções podem afetar a unha e imitar os sintomas de uma infecção fúngica, a única maneira de confirmar um diagnóstico é consultar o médico. Somente ele poderá dar o diagnóstico correto. Em alguns casos, ele poderá enviar uma amostra para um laboratório para análise e identificação.

 

Como é tratada uma infecção fúngica das unhas?

Prevenção natural 

O óleo de coco e o óleo de orégano prensados a frio são dois tipos de alimentos que contêm ricas propriedades antifúngicas e, por isso, podem ser eficientes para ajudar a inibir esses micro-organismos indesejáveis. Eles são encontrados em bons suplementos. 

O carvacrol, um dos compostos encontrados no óleo de orégano prensado a frio, é particularmente eficaz contra fungos. 

Já os ácidos graxos presentes no óleo de coco prensado a frio são semelhantes aos do leite materno e por isso ajudam na imunidade e no combate aos fungos. 

Além disso iogurtes, alho, óleos de malaleuca e endro e alimentos probióticos, também agem contra fungos e infecções. 

Tratamentos convencionais com antifúngicos orais ou tópicos:

Entre os tratamentos medicamentosos para o combate aos fungos um dos principais ativos é o fluconazol, porém ele pode ter efeitos colaterais como náuseas, diarreia, dores abdominais e dor de cabeça. Já os produtos tópicos podem causar coceira, vermelhidão e irritações na pele.  

 

Dicas para prevenir infecções fúngicas nas unhas

saiba-como-tratar-e-evitar-fungos-nas-unhas-1

Algumas mudanças simples no estilo de vida ajudam a prevenir infecções fúngicas nas unhas. Veja:

  • Mantenha-as sempre bem aparadas e limpas, isso ajudar a prevenir infecções;
  • Evite ferir a pele ao redor das unhas;
  • Se você for ficar com as mãos úmidas ou molhadas por muito tempo, use luvas de borracha;
  • Lave as mãos depois de tocar nas unhas infectadas;
  • Seque bem os pés após o banho, principalmente entre os dedos;
  • Certifique-se de que sua manicure usa instrumentos esterilizados;
  • Evite ficar descalço em locais públicos;
  • Reduza o uso de unhas artificiais e esmaltes.

  

E fique atento! A chegada do verão e as altas temperaturas propiciam o aparecimento de fungos, então cuide-se!

 

Se você gostou deste conteúdo repasse-o para seus amigos e familiares, afinal compartilhar saúde é Vital!

 

 

Referências:
healthline.com
ncbi.nlm.nih.gov
mayoclinic.org